terça-feira, 21 de março de 2017

Na biblioteca da "Anselmo"...



Dia da floresta, da primavera... da poesia.
Semana da Leitura, na biblioteca da escola Anselmo de Andrade.
Reencontro com duas turmas de 5º ano, para ler a meias...

O livro do ano, de Afonso Cruz, começa precisamente no dia 21 de março. Percorremos algumas das suas primeiras páginas: as da primavera.
Um livro pop-up levou-nos, em seguida, para o campo, onde escutámos e acompanhámos o crescimento de um pássaro...
Também os humanos crescem e seguem o seu fio da vida, com variadas emoções... "Eu espero"- transmitiu-as bem...
Em seguida, surpreendeu a paixão de Nicolau pela Luisinha, uma maria-rapaz que, a princípio, tanto o irritou...
Surpreenderam também os inutensílios de Jácome, o inventor de Estranhões e Bizarrocos...
Numa das turmas, os alunos criaram, por fim, um "cadavre exquis", ou seja, um poema bizarroco, retirando versos de livros de poesia da sua biblioteca. Um último motivo de diversão e prazer.
Na outra turma, ai, ai, a mediadora confundiu a hora de fecho... Leu mais uma história divertida, a da margarida, bem-me-quer, mal-me-quer... e TRRIM!, o tempo chegou ao fim.
Acredito que a professora Brigitte retome a atividade, um dia destes. Estavam entusiasmados...
Coisas que acontecem, pena!..., mas, ainda assim, nada estragou os bons momentos que passámos juntos na biblioteca escolar.


Bibliografia:
Afonso Cruz, O livro do ano, Alfaguara
Davide Cali/Serge Bloch, Eu espero..., , bruaá
Goscinny/Sempé, O menino Nicolau, Teorema
José Eduardo Agualusa, Estranhões & Bizarrocos, D. Quixote
Philippe Ug, Drôle d'oiseau, Les grandes personnes
Pinto & Chinto, Contos para meninos que adormecem logo a seguir, Kalandraka


quinta-feira, 16 de março de 2017

Entre pequeninos...

Foi numa turma de meninos de 4 e 5 anos, muito vivos e interessados. No Jardim de Infância do Pragal.
Uma ideia da Srª Diretora... Uma atividade-surpresa.
"Vamos lá!"
A receção foi simpática e acolhedora.

Nada melhor do que o património oral... Ia preparado (sem saber), o saco do Ler a meias...
Uma lengalenga e trava-línguas foram ideais para participar, aprender e rir...
E foi muito divertida a sessão.
Acabou com uma roda, para se jogar depois à apanhada:
«Copo copo gericopo
Gericopo copo cá
Quem não disser três vezes
Copo copo gericopo
Gericopo copo cá
Por este copo não beberá.»

(Brincaram os crescidos e os pequenitos.)
Há surpresas assim...


Bibliografia:
A casa do João, Editora Replicação
Luísa Ducla Soares (org.), Destrava-línguas, Livros Horizonte

E que tal, no Pragal?...

Pois, no Pragal, o 4º B passou uma hora divertida.
Primeiro, uma lengalenga desconhecida que ficou bem sabida.
Depois, passámos brevemente pela história do livro...
Veio então aquele conto, "Sábios como camelos"...
Alguns poemas de "O tigre na rua"...
E para terminar a sessão,os meninos escolheram entre uma história de António Torrado, Sombras chinesas, e outra com capa colorida (uma princesa "a cavalo" de um dragão, em plena ação)... e zás, por unanimidade, optaram por Uma princesa do pior. (Por mais que a mediadora usasse argumentos a favor da outra...)
Ora a história eleita foi afinal muito útil, pelo debate que proporcionou.
As meninas concordaram com a princesa..., com o seu desejo de igualdade, com o seu gosto pela aventura...
Em contrapartida, os rapazes não apreciam uma princesa assim! Um deles foi violento e irredutível...
A sessão acabou com uma mediadora surpreendida, pensando que a igualdade de género está mais longe do que parece... e que há muito, muito a fazer!


Bibliografia:

A casa do João, Editora Replicação
Anna Kemp/Sara Ogilvie, Uma princesa do pior, Civilização Editora 
António Torrado/Madalena Raimundo O mercador de coisa nenhuma, Livros Horizonte 
Books of Hours, Phaidon Press Limited
José Eduardo Agualusa, Estranhões & Bizarrocos, D. Quixote
Vários/Serge Bloch, O tigre na rua e outros poemas, bruaá editora




segunda-feira, 13 de março de 2017

Histórias com bicho e outras que tais... (nos "Caranguejais")



LER para SER, LER por PRAZER - eis o lema das Semanas de Leitura, a decorrer em março, faseadamente, nas escolas.
PRAZER não faltou, realmente, na biblioteca da EB1 da Cova da Piedade nº 3 (na Rua dos Caranguejais), onde três turmas de 4º ano foram, cada qual de sua vez, Ler a meias... (As turmas dos professores Pedro, Carla Varinho e Maria João Calvário.)

Compararam-se antigos e novos livros, desde os manuscritos com iluminuras aos livros infantis de há umas décadas atrás.
A tradição oral não foi esquecida. Uma lengalenga e trava-línguas divertiram os meninos que revelaram ter muito boa memória e língua solta...
Passeámos pelo mapa do Médio Oriente, no império persa.
Alternaram-se poesias e histórias. Com muitos bichos dentro.
E não faltaram motivos para refletir, opinar e rir.
As preferências dos alunos variaram, mas "gostaram de tudo".
Miúdos e graúdos saíram felizes...
(A mediadora também.)


 Bibliografia:

A casa do João, Editora Replicação
Anna Kemp/Sara Ogilvie, Uma princesa do pior, Civilização Editora 
Books of Hours, Phaidon Press Limited
José Eduardo Agualusa, Estranhões & Bizarrocos, D. Quixote
Luísa Ducla Soares (org.), Destrava-línguas, Livros Horizonte
O cão fiel e outros contos para crianças, Editorial Infantil Majora
Vários/Serge Bloch, O tigre na rua e outros poemas, bruaá editora

quinta-feira, 9 de março de 2017

Num dos SSAP, no Dia da Mulher...


A sala de convívio tinha muitos velhos amigos bem como caras desconhecidas que foram aos Contos e Recontos pela primeira vez.


Ambiente amistoso e familiar. Na assistência, mulheres, sobretudo.
Bom pretexto para começar com a narração de Os dez anõezinhos da Tia Verde-Água. Uma provocação. Hoje ninguém contaria esta história aos netos, mas contaram-no-la a nós, em criança... "As tarefas são partilhadas", disse a Conceição, sem gerar contraditório. E, sobretudo, a violência doméstica não se tolera!
Grandes passos, embora haja ainda um longo caminho a percorrer.
Veio uma boneca: uma mamana moçambicana, com seu filho às costas e trouxa de roupa à cabeça: para evocar outras realidades...
Depois...
Chegou a voz de Matilde Rosa Araújo: Mise.
Uma crónica de Maria Rosa Colaço: Mãe.
Uma fábula: O sol e o vento. ( O Sol teve habilidade feminina!) Como eram diferentes os livros infantis de outrora!!!
Dois poemas de Alice Vieira. (O que acham mais fácil? Dizer "Amo-te" ou "Adoro-te"?... :-)
A propósito, Fernando Pessoa foi citado e apontámos itinerários para visitar as suas casas, em Lisboa...
Terminámos com Heroínas portuguesas, mulheres que fizeram algo de novo e ajudaram a mudar mentalidades, participando na batalha pela igualdade entre os géneros.
Conhecem Lourdes Sá Teixeira?
Foi a 1ª mulher portuguesa com curso de piloto, em 1928. (E nunca mais pôde voar!)
Bom fecho para esta sessão (já com a próxima agendada para abril).
Mas antes, claro, tivemos uma Melodia de sempre, da Conceição. Começou por ser um dueto; acabou em coro geral... como de costume.

 Sessão anterior, aqui. 
 
Bibliografia:
Alice Vieira, Os armários da noite, Caminho
Fina d'Armada, Heroínas Portuguesas, Mulheres que enganaram o poder e a História, Ésquilo
Maria de Lourdes Varanda & Maria Manuela Santos, Poetas de hoje e de ontem, Escritório Editora
Maria Rosa Colaço, Não quero ser grande, Crónicas, Escritor
O cão fiel e outros contos para crianças, Editorial Infantil Majora


quarta-feira, 8 de março de 2017

Com homens de mar..., na Feliciano Oleiro


Uma sessão bem sucedida recria-se, repete-se, para mais destinando-se a turmas do mesmo ano letivo e de um mesmo agrupamento.
Logo se vê se correrá da mesma forma, pois tudo é imprevisível e nem sempre sucede...
A verdade é que os quartos anos da escola Feliciano Oleiro manifestaram interesse e reações semelhantes perante uma adivinha ("Conto por ponto") de Bru Junça; o retrato de Um homem de mar, de Rodolfo Castro; o poema Mistérios, de Matilde Rosa Araújo; e a narração oral de um conto de Esther de Lemos: O espelho de quato, o relógio de cuco e o xaile de seda.



(Tal e qual como no Pragal.)

No saco do Ler a meias..., há sempre mais qualquer coisinha, para o que der e vier. Ora, nem haveria tempo nem foi necessário...
A participação dos meninos foi espontânea e, em geral, muito oportuna.
Por fim, as preferências dividiram-se, mas houve muitos "gostos" para TUDO.

Portanto, até ao nosso reencontro, no 3º Período!

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Mistérios à volta do mar... em terras do Pragal

Começámos com um conto por ponto (uma adivinha) de Bru Junça:
«Altos castelos
Lindas janelas
Abrem e fecham
Ninguém mora nelas».
O que é, o que é?.....


De olhos bem abertos, observámos a capa de Um homem de mar e retratámos essa personagem. Depois, de ouvidos à escuta, lemos a meias... e todos ficaram a conhecê-lo melhor: humor instável como o mar, nem bom nem mau, mas capaz de se enfurecer...
Quem o queria para noivo?...
Houve candidatas, mas poucas. As que lhe admiraram a imaginação.

O poema Mistérios apresentou um verdadeiro homem do mar: um esforçado pescador...

A sessão acabou com uma narração oral. A história de um outro pescador que tudo perdeu em dia de temporal. E da noiva que lhe abriu os olhos...
Uma história de Esther de Lemos (há muito esgotada) que pode ser lida integralmente, em PDF disponível na Web.

Uma história contada, olhos nos olhos: o momento preferido de ambas as turmas de 4º ano do Pragal, na passada 5ª feira (disseram) . Gostaram "de tudo" (acrescentaram).

Foi a nossa 1ª sessão deste ano.

Até para a próxima!
Bibliografia:
Bru Junça, Conto por ponto, ?
Matilde Rosa Araújo, Mistérios, Livros Horizonte
Rodolfo Castro e Manuel Monroy, Um homem de mar, GATAfunho

Webgrafia:
Esther de Lemos, O espelho de quarto, o relógio de cuco e o xaile de seda (Adaptação)


sábado, 4 de fevereiro de 2017

Um outro balanço...

É preciso recuar ao final do ano letivo anterior, 2015/2016.
Voltar à escola Feliciano Oleiro. E ao Pragal.
Tornar ao convívio com as turmas de 4º ano.
Este outro balanço foi feito pelos meninos.


Eles falaram do Ler a meias... com a sua arte de desenhar, redigir e demonstrar afeto.
Sabendo reconhecer, agradecer...
Dizer adeus..., manifestando esperar mais...
Espontaneamente.

Acreditem que foi uma grande surpresa e um belo presente.
Que me deram ânimo e alegria...
Que me enterneceram e comoveram.
OBRIGADA!

Obrigada, 4º A e 4º B.
Obrigada, professora Eveline Monteiro.


sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Ler a meias..., entre gente grande...


Uma vez mais, nos Serviços Sociais. Entre gente grande que me recebe de braços abertos. Entre amigos. Com livros para todas as idades.
Poesia, contos e recontos a criar as pontes que nos ligam.

Mário Castrim fez-nos rir com A cómoda incómoda.
Chema Heras enterneceu-nos com os Avós. E pôs à prova a nossa memória!
Ilse Losa emocionou-nos com o seu conto Apesar de tudo. Uma história que nos transportou à atualidade, aos refugiados, à dura luta pela sobrevivência..., à esperança que nos move.
Sebastião da Gama trouxe o Sonho.
Afonso Cruz definiu a Felicidade... (e gerou polémica!)
Falou-se de "Risodinâmica", do poder e dos benefícios do riso.
E ainda pensámos em exílio, emigração, saudades - tudo a partir de um conto de Natal de Manuel Alegre: A estrela.


A nossa despedida aconteceu como é habitual: cantando. Seleção da Conceição. Juntaram-se ao coro a Aida e a Assunção. Mais a Manuela... E muitas outras vozes... O Vinho Verde vinha mesmo a propósito da conversa... (e a canção era conhecida!)
- Feliz Natal!
- Até para o ano!

( Sessão anterior: aqui.)

Bibliografia:
Afonso Cruz, Enciclopédia da estória universal, Recolha de Alexandria, Alfaguara
Chema Heras/Rosa Osuna, Avós, Kalandraka
Ilse Losa, A minha melhor história, Editora Nova Crítica
Mário Castrim, Histórias com juízo, Plátano Editora
Sebastião da Gama, Pelo sonho é que vamos, Edições Ática
Vários, Vésperas de Natal, Contos, Dom Quixote 


terça-feira, 29 de novembro de 2016

Regresso à Feliciano Oleiro...

Chegou a vez dos quartos anos da escola Feliciano Oleiro lerem a meias...
Começámos pelas apresentações.

O outono, a chuva e um discreto guarda-chuva preto, perdido, deram o "pontapé de saída".
Continuámos com poesia popular portuguesa. 
Seguimos adiante com O homem que não queria sonhar... 
A todos deu o tranglomanglo!...
Por fim, uma história de Natal: Um homem não chora
(Claro que pode chorar, mas tem de ter ânimo!... E uma mulher..., a mesma coisa!...)
O 4ºA ouviu o conto até ao fim. O 4º B ficou curioso para saber o resto. 
Fiquem sabendo que, em janeiro, a professora Eveline Monteiro irá contar o desfecho.
Pois, a campainha não perdoou... 
À despedida, iam satisfeitos:
- Bom Natal!
- Feliz Ano Novo!

O 4º A, da professora Cristina Alves
O 4º B, da professora Isabel Rosa
Bibliografia:
Alice Vieira (Org.), Eu bem vi nascer o sol, Antologia da poesia popular portuguesa, Círculo de Leitores (e Caminho)
Álvaro Magalhães, O homem que não queria sonhar e outras histórias, ASA
Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, Natal! Natal!, Caminho
Davide Cali/Valerio Vidali, Um dia, um guarda-chuva..., Planeta Tangerina



sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Na Anselmo, com o 5ºC...






Novos reencontros ocorreram hoje, na sessão com a turma 5º C, na Escola Anselmo da Andrade.
O mesmo tema das restantes turmas de 5º ano (proposto para o mês das bibliotecas escolares): Ler para descodificar o mundo.
Leituras idênticas..., com novidades.
Conversas semelhantes... com diferenças.
Através de poesias, narrativas e textos informativos, voámos até às estrelas; fomos ao encontro de ciganos; pilotando o nosso "aviador interior" (pois "basta imaginar"), passeámos por aventuras fantásticas num conto cigano que relacionámos com outros... ; confirmámos que todos somos especiais e diferentes...
A noite estrelada encantou miúdos e graúdos, abordando temas como a morte, o bullying, a amizade...
Cada livro trouxe um mundo diferente para dentro  da biblioteca. Pelo caminho, fomos refletindo e aprendendo: o que é uma antologia?; o que é um pseudónimo?; diversas edições da mesma obra?; etc, etc...











No final da sessão, os jovens leram a meias estes e outros livros que foram circulando de mão em mão.
Foi um encontro extraordinário!
Pediram-me que voltasse.
(Apetece mesmo!...)



Bibliografia:
Jimmy Liao, Noite estrelada, Kalandraka
João Pedro Mésseder, Contos e lendas de Portugal e do mundo, Porto Editora
José António Gomes (coord.), Conto estrelas em ti, Campo das Letras
José Luiz Fernandes (coord.), Vidas ciganas, Lungo Drom (catálogo de exposição)
Manuel António Pina, O pássaro da cabeça, A Regra do jogo, 1ª edição
Manuel António Pina, O pássaro da cabeça e mais versos para crianças, Porto Editora 
Milton D. Heifetz e Wil Tirion; Um passeio pelos céus, Um guia de estrelas, constelações e lendas, Gradiva
Sophia de Mello Breyner Andresen e Pedro Sousa Tavares, Os ciganos, Porto Editora




terça-feira, 8 de novembro de 2016

Novos reencontros, na Anselmo de Andrade...



Hoje foi a vez do 5ºB e do 5ºD virem à biblioteca escolar.

Ambas as sessões começaram com sorrisos, palavras alegres, beijinhos...
Os meninos eram, na sua maioria, velhos amigos que vieram do Pragal, da Feliciano Oleiro, dos Caranguejais...
Ler para descodificar o mundo, eis o tema.
E assim fizemos - lendo poesia, livros informativos, histórias da História e outras narrativas, sempre com animada participação, debate de ideias... e muito prazer!
Caminhos diferentes e idênticos, em cada turma.
Também houve tempo para folhearem e lerem excertos. E, por fim, cada grupo leu uma frase (do "seu" livro), criando, em conjunto, um "cadáver esquisito" de leitura.
Tão esquisito quanto divertido!...
Manifestaram intenção de requisitar livros da biblioteca...
Enfim, regressei feliz, claro!...


Bibliografia:
José António Gomes (Coord.), Conto estrelas em ti, Campo das Letras
José Jorge Letria, O homem que ficou sem sono ou a História de um herói contada em português (in Contos de um mundo com esperança), Texto Editora
Manuel António Pina, O pássaro da cabeça e mais versos para crianças, Porto Editora
Maria Ana Peixe Dias et al., Lá fora, Guia para descobrir a natureza, Planeta Tangerina
Milton D. Heifetz e Wil Tirion, Um passeio pelos céus, Um guia de estrelas, constelações e lendas, Gradiva
Sophia de Mello Breyner Andresen e Pedro de Sousa Tavares, Os ciganos, Porto Editora


terça-feira, 1 de novembro de 2016

Revendo amigos, na Anselmo de Andrade...

As turmas 5º A e 5º E e a professora Amélia visitaram a biblioteca, para ler a meias...
Foi, sobretudo, um reencontro terno com muitos desses alunos, alguns dos quais acompanho desde o seu 2º ou 3º ano... (Como cresceram!...)
O pretexto foi celebrar outubro, o "Mês da bibliotecas escolares", sob o lema Ler para descodificar o mundo.

Para abordar tal temática, textos informativos e poesia não poderiam faltar. O diário de uma deusa grega, tal como um conto de Sophia e seu neto Pedro Sousa Tavares, vieram bem a propósito.
E as questões levantadas (as conversas são como as cerejas) fizeram-nos saltitar entre dúvidas e curiosidades, discussão sobre temas atuais... Enfim, tempo de convívio, prazer e reflexão, na biblioteca escolar.
Alguém levanta sempre a dúvida: "Este livro existe na biblioteca?"... As professoras bibliotecárias ora respondem "sim" ora "não". Mas surge uma solução perfeita: procurar o livro desejado numa das várias bibliotecas da Rede de Bibliotecas Municipais de Almada. Que boa ideia!
Mediar leitura suscita sempre em alguém a vontade de poder (re)ler livremente algum dos livros de que foram escutados excertos. Os últimos minutos foram destinados a espalhar livros pelas mãos desejosas dos leitores que os folhearam, leram e trocaram entre si.
Assim se cumpre a missão da biblioteca escolar.
E os objetivos do Ler a meias...





 


















Bibliografia:
José António Gomes (Coord.), Conto estrelas em ti, Campo das Letras
Manuel António Pina, O pássaro da cabeça, A regra do jogo
Maria Ana Peixe Dias et al., Lá fora, Guia para descobrir a natureza, Planeta Tangerina
Milton D. Heifetz e Wil Tirion, Um passeio pelos céus, Um guia de estrelas, constelações e lendas, Gradiva
Sophia de Mello Breyner Andresen e Pedro de Sousa Tavares, Os ciganos, Porto Editora
Teresa Buongiorno, Olimpo, Diário de uma deusa adolescente, Terramar
E mais, muito mais..., folheados e lidos pelos meninos.


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Recomeçou o Ler a meias...

A 1ª sessão deste "ano letivo" teve lugar entre "gente grande".
Começámos com uma lengalenga, para testar a memória... e rir a bom rir!
A parábola As três peneiras, recontada por António Botto (em O Livro das crianças) suscitou interesse e conversa. Uma grande lição para crianças e... adultos.
A sessão continuou animada, com Almada Negreiros e desenhos de criança...; com uma opinião médica sobre histórias ao adormecer...; com o relato de um reformado sobre esta nova etapa da sua vida (do livro Os sonhos não têm rugas), o qual gerou comoção.
Havia quem se lembrasse da Nau Catrineta (ainda se puxou pela memória e se arriscaram alguns versos do romance); mas divertido, mesmo, foi ouvir a Nau Mentireta...
Demos um saltinho ao Brasil. André Neves ofereceu-nos A caligrafia de Dona Sofia. Uma história que espalhou muita poesia..., valorizou a amizade... e deu um "exemplo" que talvez germine... Agradou a particularidade de Sofia não ser avó! E, também por isso, foi a história preferida da Zulmira!...
Na "plateia", havia crescidos participativos. Novamente a Conceição Madeira trouxe canções que entoámos a meias: A fisga, dos Rio Grande, e uma outra: Avozinha, vá lá só mais uma...
Há que preencher o tempo da aposentação com convívio, atividades, novos interesses, novas aprendizagens...
Entre nós, assim aconteceu hoje. Convivemos. Partilhámos tempo, leituras, ideias, poesia. Alegria.

Sessões anteriores de Ler a meias...:
1ª - 31/7/2015  Contos dos avós
2ª - 19/11/2015 , Receita para avós felizes
3ª - 3/5/2016 Contos para todos
Esta, a 4ª, Contos e Recontos.


Qual o melhor título para esta atividade?...

Bibliografia:
A casa do João, Editora Replicação
Almada Negreiros, A invenção do dia claro, Assírio & Alvim
André Neves, A caligrafia de Dona Sofia, Paulinas
António Botto, O livro das crianças, Editorial Presença
Luísa Ducla Soares, A nau mentireta, Civilização
Maria do Rosário Gama et al., Os sonhos não têm rugas, Oficina do livro
Mário Cordeiro, Uma história ao adormecer... ou para adormecer, jornal i , 18/10/2016


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Um novo outono, um novo ano...


O "Ler a meias..." vai recomeçar.
Foi dada a palavra aos meninos do Pragal e da Feliciano Oleiro; aos (crescidos) aposentados da Função Pública...; e ainda a outros mais... A promessa será cumprida!
Contactos e reunião preparatória tiveram já lugar.
A agenda cresce.
Passo a passo, brandamente.
Contrabalançando o desejo de continuar e o de abrandar.
A cada outono, um novo ano.
Sapatos ao caminho, uma vez mais..., usufruindo do prazer da viagem.
"Partimos. Vamos. Somos."



Imagens da NET:
- Van Gogh, Par de sapatos
- Isabelle Chuller, Releitura de van Gogh

domingo, 28 de agosto de 2016

Antologia poética

Poesia 

Quando não esperas nada
não esperas nada

Quando não esperas nada
tudo acontece

Quando não esperas nada
o nada é certo

quando não esperas nada
das leis do verso

Quando não esperas nada
por que esperavas?

Quando não esperas nada
lembras fantasmas

Quando não esperas nada
o som concreto

do poema cresce e tu recebes
lição de nada em tudo

e recomeças


António Carlos Cortez, Linha de fogo, Editora Licorne, p. 39

Aparentemente, fala-se de poesia. O título assim sugere. Os versos reforçam a sugestão: "Quando não esperas nada / o som concreto // do poema cresce (...)"
Ora,
Viver também é poesia...





domingo, 7 de agosto de 2016

Provavelmente alegria...

« (...)
Já os ventos recolheram
Já o verão se nos oferece
Quantos frutos quantas fontes
Mais o sol que nos aquece
(...) »

José Saramago, "Alegria", in Provavelmente alegria

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

A voz do mar...

«Uma língua é o lugar donde se vê o Mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir. 
Da minha língua vê-se o mar. 
Da minha língua ouve-se o seu rumor, como na de outros se ouvirá o da floresta ou o silêncio do deserto. 
Por isso a voz do mar foi a da nossa inquietação.»



Nota: Excerto de um discurso lido pelo escritor em Bruxelas, em 1991, na cerimónia em que lhe foi atribuído o prémio Europalia.



domingo, 31 de julho de 2016

Balanço: mais um ano a ler a meias...

Ler a meias... mantém-se um projeto em regime de voluntariado, desenvolvido sobretudo em estabelecimentos escolares, em estreita colaboração com professores bibliotecários ou outros responsáveis por  atividades de promoção do livro e da leitura.



No ano escolar findo, foram três as escolas em que continuei a desenvolver um trabalho regular:
- Agrupamento Anselmo de Andrade22 sessões
·         EB1/JI do Pragal – 4º A e 4º B (3º A e 3º B, apenas uma vez, no “Dia da Escola”);
·         EB1/JI Feliciano Oleiro - 4º A e 4º B.
- Agrupamento Emídio Navarro16 sessões
·         EB1/JI nº 3 da Cova da Piedade (“Escola dos Caranguejais”) – 3º A e 4º A.



Como seria de esperar, voltei à EB1 Casal de Bolinhos; fiz também uma estreia na EB1 de Vila Fresca (5 sessões nestas duas escolas do Agrupamento de Azeitão).
Uma segunda estreia aconteceu em duas turminhas de um Jardim Infantil, em Sapadores: 2 sessões inesquecíveis.
Retornei, por duas vezes, ao Centro de Convívio dos Serviços Sociais da Administração Pública, onde se alternam histórias para netos e avós (e não-avós), muito ternos e interessados.

Feitas as contas, foram realizadas 47 sessões de mediação de leitura, ao longo de 2015/2016.
(O número de sessões continua a reduzir, o que parece justo..., mas, em boa verdade, atribulações várias impediram a minha ida a Vila Nogueira de Azeitão e ao Agrupamento Castelo-Poente, em Sesimbra, como estava previsto.)

Escutar os meninos dizendo que passaram a "gostar mais dos livros", e que leem - "o que era raro", faz sentir que cumpri objetivos.
Valeu a pena!

(Principalmente ao ler, mais tarde, o balanço dos meninos do Agrupamento da Anselmo).


segunda-feira, 23 de maio de 2016

Adeus, adeus! E, possivelmente..., até breve!...

Novas despedidas aconteceram hoje, na EB1 dos Caranguejais.
De manhã, a despedida do 3º ano. Lemos páginas do Diário inventado de um menino já crescido... e fizemos, de seguida, umas palavras cruzadas de Paulo Freixinho. No quadro interativo, com a colaboração da professora Margarida Pinho, foi fácil pôr toda a turma a cismar!...
E assim se pretendeu abrir-lhes o apetite para o cruzadismo, um excelente passatempo para férias...


De tarde, o adeus ao 4º ano.
Estes meninos exprimiram os seus receios por abandonarem a sua escola do 1º ciclo e irem para uma outra muito maior, da qual já muitos ouviram falar..., nem sempre por bons motivos. Julgo que ficaram mais esclarecidos e sossegados.
O jovem caranguejo veio mesmo a calhar, para lhes desejar: "Boa viagem!"...
José Fanha trouxe outra ideia: Um dia o futuro vai chegarE nesse dia eu vou estar cá para ver.



Com a ajuda da Internet, ambas as turmas conheceram José Fanha e ouviram a sua voz forte, cheia de ternura e riso... Divertiram-se a ouvi-lo ler o Q de cão.
Ambas as turmas viram o blogue Quarto Crescente, onde nos podemos encontrar...
Ambas as turmas fizeram uma avaliação do Ler a meias...
E estas duas turmas (que acompanho há dois e três anos, respetivamente) acham que devo prosseguir o voluntariado da leitura.
Porquê?
Porque gostaram:

  • dos livros de histórias, poesias e dos outros...;
  • da leitura...;
  • da boa disposição;
  • do trabalho em equipa;
  • do meu contributo para passarem a gostar mais dos livros e de ler;
  • e porque passaram a ler, "o que era raro"...

Em conclusão: querem mais! Tanto os alunos do futuro 4º ano como aqueles que irão para o 5º ano, na António da Costa.
A professora Margarida Pinho "subscreveu"... (Obrigada pelo estímulo... pelo companheirismo e pela descomplicada parceria.)
Portanto, se tudo correr bem...
- Até ao  futuro próximo, meninos!


Bibliografia:
Gianni Rodari, Histórias ao telefone, Teorema
José Fanha/João Fanha, Diário inventado de um menino já crescido, Gailivro
Sílvia Alves e Paulo Freixinho, Sabe mais que os teus pais, Verbo