terça-feira, 21 de março de 2017

Na biblioteca da "Anselmo"...



Dia da floresta, da primavera... da poesia.
Semana da Leitura, na biblioteca da escola Anselmo de Andrade.
Reencontro com duas turmas de 5º ano, para ler a meias...

O livro do ano, de Afonso Cruz, começa precisamente no dia 21 de março. Percorremos algumas das suas primeiras páginas: as da primavera.
Um livro pop-up levou-nos, em seguida, para o campo, onde escutámos e acompanhámos o crescimento de um pássaro...
Também os humanos crescem e seguem o seu fio da vida, com variadas emoções... "Eu espero"- transmitiu-as bem...
Em seguida, surpreendeu a paixão de Nicolau pela Luisinha, uma maria-rapaz que, a princípio, tanto o irritou...
Surpreenderam também os inutensílios de Jácome, o inventor de Estranhões e Bizarrocos...
Numa das turmas, os alunos criaram, por fim, um "cadavre exquis", ou seja, um poema bizarroco, retirando versos de livros de poesia da sua biblioteca. Um último motivo de diversão e prazer.
Na outra turma, ai, ai, a mediadora confundiu a hora de fecho... Leu mais uma história divertida, a da margarida, bem-me-quer, mal-me-quer... e TRRIM!, o tempo chegou ao fim.
Acredito que a professora Brigitte retome a atividade, um dia destes. Estavam entusiasmados...
Coisas que acontecem, pena!..., mas, ainda assim, nada estragou os bons momentos que passámos juntos na biblioteca escolar.


Bibliografia:
Afonso Cruz, O livro do ano, Alfaguara
Davide Cali/Serge Bloch, Eu espero..., , bruaá
Goscinny/Sempé, O menino Nicolau, Teorema
José Eduardo Agualusa, Estranhões & Bizarrocos, D. Quixote
Philippe Ug, Drôle d'oiseau, Les grandes personnes
Pinto & Chinto, Contos para meninos que adormecem logo a seguir, Kalandraka


quinta-feira, 16 de março de 2017

Entre pequeninos...

Foi numa turma de meninos de 4 e 5 anos, muito vivos e interessados. No Jardim de Infância do Pragal.
Uma ideia da Srª Diretora... Uma atividade-surpresa.
"Vamos lá!"
A receção foi simpática e acolhedora.

Nada melhor do que o património oral... Ia preparado (sem saber), o saco do Ler a meias...
Uma lengalenga e trava-línguas foram ideais para participar, aprender e rir...
E foi muito divertida a sessão.
Acabou com uma roda, para se jogar depois à apanhada:
«Copo copo gericopo
Gericopo copo cá
Quem não disser três vezes
Copo copo gericopo
Gericopo copo cá
Por este copo não beberá.»

(Brincaram os crescidos e os pequenitos.)
Há surpresas assim...


Bibliografia:
A casa do João, Editora Replicação
Luísa Ducla Soares (org.), Destrava-línguas, Livros Horizonte

E que tal, no Pragal?...

Pois, no Pragal, o 4º B passou uma hora divertida.
Primeiro, uma lengalenga desconhecida que ficou bem sabida.
Depois, passámos brevemente pela história do livro...
Veio então aquele conto, "Sábios como camelos"...
Alguns poemas de "O tigre na rua"...
E para terminar a sessão,os meninos escolheram entre uma história de António Torrado, Sombras chinesas, e outra com capa colorida (uma princesa "a cavalo" de um dragão, em plena ação)... e zás, por unanimidade, optaram por Uma princesa do pior. (Por mais que a mediadora usasse argumentos a favor da outra...)
Ora a história eleita foi afinal muito útil, pelo debate que proporcionou.
As meninas concordaram com a princesa..., com o seu desejo de igualdade, com o seu gosto pela aventura...
Em contrapartida, os rapazes não apreciam uma princesa assim! Um deles foi violento e irredutível...
A sessão acabou com uma mediadora surpreendida, pensando que a igualdade de género está mais longe do que parece... e que há muito, muito a fazer!


Bibliografia:

A casa do João, Editora Replicação
Anna Kemp/Sara Ogilvie, Uma princesa do pior, Civilização Editora 
António Torrado/Madalena Raimundo O mercador de coisa nenhuma, Livros Horizonte 
Books of Hours, Phaidon Press Limited
José Eduardo Agualusa, Estranhões & Bizarrocos, D. Quixote
Vários/Serge Bloch, O tigre na rua e outros poemas, bruaá editora




segunda-feira, 13 de março de 2017

Histórias com bicho e outras que tais... (nos "Caranguejais")



LER para SER, LER por PRAZER - eis o lema das Semanas de Leitura, a decorrer em março, faseadamente, nas escolas.
PRAZER não faltou, realmente, na biblioteca da EB1 da Cova da Piedade nº 3 (na Rua dos Caranguejais), onde três turmas de 4º ano foram, cada qual de sua vez, Ler a meias... (As turmas dos professores Pedro, Carla Varinho e Maria João Calvário.)

Compararam-se antigos e novos livros, desde os manuscritos com iluminuras aos livros infantis de há umas décadas atrás.
A tradição oral não foi esquecida. Uma lengalenga e trava-línguas divertiram os meninos que revelaram ter muito boa memória e língua solta...
Passeámos pelo mapa do Médio Oriente, no império persa.
Alternaram-se poesias e histórias. Com muitos bichos dentro.
E não faltaram motivos para refletir, opinar e rir.
As preferências dos alunos variaram, mas "gostaram de tudo".
Miúdos e graúdos saíram felizes...
(A mediadora também.)


 Bibliografia:

A casa do João, Editora Replicação
Anna Kemp/Sara Ogilvie, Uma princesa do pior, Civilização Editora 
Books of Hours, Phaidon Press Limited
José Eduardo Agualusa, Estranhões & Bizarrocos, D. Quixote
Luísa Ducla Soares (org.), Destrava-línguas, Livros Horizonte
O cão fiel e outros contos para crianças, Editorial Infantil Majora
Vários/Serge Bloch, O tigre na rua e outros poemas, bruaá editora

quinta-feira, 9 de março de 2017

Num dos SSAP, no Dia da Mulher...


A sala de convívio tinha muitos velhos amigos bem como caras desconhecidas que foram aos Contos e Recontos pela primeira vez.


Ambiente amistoso e familiar. Na assistência, mulheres, sobretudo.
Bom pretexto para começar com a narração de Os dez anõezinhos da Tia Verde-Água. Uma provocação. Hoje ninguém contaria esta história aos netos, mas contaram-no-la a nós, em criança... "As tarefas são partilhadas", disse a Conceição, sem gerar contraditório. E, sobretudo, a violência doméstica não se tolera!
Grandes passos, embora haja ainda um longo caminho a percorrer.
Veio uma boneca: uma mamana moçambicana, com seu filho às costas e trouxa de roupa à cabeça: para evocar outras realidades...
Depois...
Chegou a voz de Matilde Rosa Araújo: Mise.
Uma crónica de Maria Rosa Colaço: Mãe.
Uma fábula: O sol e o vento. ( O Sol teve habilidade feminina!) Como eram diferentes os livros infantis de outrora!!!
Dois poemas de Alice Vieira. (O que acham mais fácil? Dizer "Amo-te" ou "Adoro-te"?... :-)
A propósito, Fernando Pessoa foi citado e apontámos itinerários para visitar as suas casas, em Lisboa...
Terminámos com Heroínas portuguesas, mulheres que fizeram algo de novo e ajudaram a mudar mentalidades, participando na batalha pela igualdade entre os géneros.
Conhecem Lourdes Sá Teixeira?
Foi a 1ª mulher portuguesa com curso de piloto, em 1928. (E nunca mais pôde voar!)
Bom fecho para esta sessão (já com a próxima agendada para abril).
Mas antes, claro, tivemos uma Melodia de sempre, da Conceição. Começou por ser um dueto; acabou em coro geral... como de costume.

 Sessão anterior, aqui. 
 
Bibliografia:
Alice Vieira, Os armários da noite, Caminho
Fina d'Armada, Heroínas Portuguesas, Mulheres que enganaram o poder e a História, Ésquilo
Maria de Lourdes Varanda & Maria Manuela Santos, Poetas de hoje e de ontem, Escritório Editora
Maria Rosa Colaço, Não quero ser grande, Crónicas, Escritor
O cão fiel e outros contos para crianças, Editorial Infantil Majora


quarta-feira, 8 de março de 2017

Com homens de mar..., na Feliciano Oleiro


Uma sessão bem sucedida recria-se, repete-se, para mais destinando-se a turmas do mesmo ano letivo e de um mesmo agrupamento.
Logo se vê se correrá da mesma forma, pois tudo é imprevisível e nem sempre sucede...
A verdade é que os quartos anos da escola Feliciano Oleiro manifestaram interesse e reações semelhantes perante uma adivinha ("Conto por ponto") de Bru Junça; o retrato de Um homem de mar, de Rodolfo Castro; o poema Mistérios, de Matilde Rosa Araújo; e a narração oral de um conto de Esther de Lemos: O espelho de quato, o relógio de cuco e o xaile de seda.



(Tal e qual como no Pragal.)

No saco do Ler a meias..., há sempre mais qualquer coisinha, para o que der e vier. Ora, nem haveria tempo nem foi necessário...
A participação dos meninos foi espontânea e, em geral, muito oportuna.
Por fim, as preferências dividiram-se, mas houve muitos "gostos" para TUDO.

Portanto, até ao nosso reencontro, no 3º Período!